quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Comunicação

Engraçado, esses dias, logo depois de eu ter resolvido escrever esse post, recebi um e-mail de um amigo com o link de um blog com diversas placas engraçadas, bizarras ou incompreensíveis.
Queria escrever sobre isso não só por causa das interpretações muito cômicas que se pode dar às placas, como essas que colquei aqui, mas porque eu nunca tinha parado pra pensar no potencial efeito desastroso de uma coisa dessas.

Há umas duas semanas eu tive uma aula sobre anomalias congênitas, e a professora comentou sobre a Talidomida. Pra quem não conhece, foi um medicamento ótimo que entrou no mercado em 1957 como sedativo e hipnótico, quase sem efeitos colaterais. O problema é que alguns anos depois, desocbriu-se o potencial teratogênico dessa medicação quando começaram a aparecer os casos da chamada "geração talidomida" - crianças que nasciam com mal-formações dos braços e pernas, chamadas conjuntamente de focomielia.
Depois do alarde pelas mais de 10 mil crianças afetadas, a droga foi temporariamente retirada do mercado, mas depois voltou com restrições, afinal há muitas drogas teratogênicas, e como foram evidenciados muitos benefícios de seu uso em doenças como a hanseníase, é só controlar o medicamento e não deixar que grávidas o utilizem, além de alertar as mulheres em uso sobre os riscos de engravidar, certo?
Bem, nem tão certo.

Acontece que em algumas cidades começaram a ocorrer casos de focomielia bastante tempo depois de o uso do medicamento ser controlado. O que aconteceu? Ora, para deixar bem claro que grávidas não deveriam fazer uso de talidomida, algum GÊNIO resolveu colocar um símbolo de "proibido" em cima da silhueta de uma mulher grávida na caixa do remédio e nas cápsulas, indicando obviamente, pra ele e pra nós, que agora já sabemos a merda que dá quando a grávida toma, que tais mulheres não podiam fazer uso da droga.



Acontece que não foi exatamente essa a interpretação das pessoas que acabaram desavisadamente tendo filhos mal-formados.
Alguém imagina o que pessoas que nunca ouviram falar na talidomida e nos bebezinhos mal-formados pensaram que era quando viram o tal do símbolo?
Isso mesmo, Anti-concepcional.
Não era óbvio?

3 comentários:

Gustavo Rocha Dias disse...

Não só o desenho, mas o "Avoid Pregnancy" tem duplo sentido, tanto o óbvio de "Evite a gravidez" como o de "Evita a gravidez".

Um trocadilho com um resultado bastante cruel! =/

Douglas Neves disse...

Nossa, que merda foda!

Mas esse tipo de medicamento não deveria ser restrito? Venda só com prescrição médica?

O mais foda dessa história toda é que as mulheres não queriam engravidar, e acabaram engravidando e tendo filhos com má formação. Deve ser uma depressão foda.

Eu já disse que eu sou a favor do aborto? hehehe

Discussões infinitas...

Franz disse...

Sempre que minha mãe fala da talidomida, diz que era um anti-concepcional que não funcionava e, ainda, causava má formação das crianças...